Leituras do Mini-Curso A “segunda escravidão” no longo século XIX: Brasil, Cuba, EUA e África

A “segunda escravidão” no longo século XIX: Brasil, Cuba, EUA e África

(Mini-Curso, 2º sem. 2018) 

EMENTA

Leituras e bibliografia para cada aula:

As leituras para discussão, como também leituras suplementares para quem quer se aprofundar nos temas abordados, são listadas a seguir. Todas as primeiras, como também algumas das suplementares (marcadas com asterisco), estão (ou estarão dentro em breve) disponíveis em pdf ou outro formato, online ou no site do Programa de Pós-Graduação em História: www.ppgh.ufba.br (buscar “mini-curso”). Também háverá uma bibliografia adicional (não disponível no site) para cada aula.

(Segue, inicialmente, as leituras recomendadas para a primeira aula.)

1) 18/10 Introdução ao Curso: capitalismo e escravidão – historiografia e debates recentes; a construção do conceito de “segunda escravidão” (nas Américas), e sua aplicabilidade na África; as formas de trabalho coagido “análogo ao de escravo” na América e na África, antes e depois do fim do tráfico

Leituras para discussão:

*TOMICH, Dale; ZEUSKE, Michael. “Introduction”. Review (Fernand Braudel Center, Binghamton University, N.Y.). Número sobre “The Second Slavery: Mass Slavery, World-Economy, and Comparative Microhistories, Part I”. Vol. 31, N. 2 (2008), p. 91-100.

*MARQUESE, Rafael Bivar. “Capitalismo e escravidão”[de Eric Williams] e a historiografia sobre a escravidão nas Américas”. Estudos Avançados (USP), Vol. 26, N. 75, 2012, p. 341-354.

DRESCHER, Seymour. Econocide [1977]. 2a ed. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2010. Ler online (Amazon.com), edição Kindle: “Foreward” de David Brian Davis, seguido de “Preface to the Second Edition” de Drescher (textos historiográficos, disponíveis na tela, sem cortes).

 Visitar site: www.slavevoyages.org (“The Trans-Atlantic Slave Trade Database”): no cabeçalho clicar em “Languages”, depois em “português”; circular no site para ver as possibilidades de pesquisa.

          2) 25/10   Capitalismo e anti-escravismo; a visão europeia do africano na época da revolução burguesa e do romantismo

Leituras para discussão:

* WILLIAMS, Eric. Capitalismo e escravidão [1944]. São Paulo: Companhia das Letras, 2012, caps. 7 e 12 (p. 181-191, 283-287).

*DRESCHER, Seymour. Abolição: uma história da escravidão e do antiescravismo. São Paulo: Companhia das letras, 2011 [2009], cap. 8, “Aboliçionismo sem revolução: a Grã Bretanha da década de 1770 à de 1020”.

Leituras suplementares, aulas 1 e 2:

ELTIS, David. Economic Growth and the Ending of the Transatlantic Slave Trade.New York: Oxford University Press, 1987.

BROWN, ChristopherMoral Capital: Foundations of British Abolitionism. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2006.

BLACKBURN, Robin. A queda do escravismo colonial. Rio de Janeiro: Record, 2002 [1988].

*LINEBAUGH, Peter. “Todas as montanhas atlânticas estremeceram” [1982]. Revista Brasileira de História vol. 3, n. 6 (set. 1983), p. 7-46. (Também disponível online, entrando no Google com autor e título.)

LINEBAUGH, Peter. The Magna Carta ManifestoLiberties and Commons for All. Berkeley: University of California Press, 2009.

*LINEBAUGH, Peter; REDIKER, Marcus. A hidra de muitas cabeças: marinheiros, escravos, plebeus e a história oculta do Atlântico revolucionário [2000].São Paulo: Companhia das Letras, 2008. “Conclusão: Tigre! Tigre!”, p. 341-369.

*SLENES, Robert W. “Brazil” [capítulo sobre a historiografia a respeito da escravidão no Brasil]. In: Oxford Handbook on Slavery in the Americas (nasérieOxford History Handbooks), Robert L. Paquette e Mark M. Smith, orgs. New York: Oxford University Press, 2010, pp. 111-133.

*CHALHOUB, Sidney; SILVA, Fernando Teixeira da. “Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980”. Cadernos Arquivo Edgard Leuenroth (UNICAMP), v. 14, 2009, p. 13-57. (Também disponível online.)

*SLENES, Robert W.African Abrahams, Lucretias and Men of Sorrows: Allegory and Allusion in the Brazilian Anti-slavery Lithographs (1827-1835) of Johann Moritz Rugendas. Slavery and Abolition, 23:2, p. 147-168.

*CARVALHO, Bruno. “Writing Race in Two Americas: Blackness, Science, and Circulation of Knowledgein the Eighteenth-Century Luso-Brazilian World and the United States”. The Eighteenth Century, Vol. 57, N. 3.Outono, 2016, p. 303-324

 

Aula 14-11-2018

TOMICH_Pelo Prisma da Escravidão_caps 1 e 3